quinta-feira, 30 de junho de 2011

Big Cofee, o café gigante de Piumhi

No meio de uma lavoura de Cafeeiros Bourbon, na fazenda Santa Rita, em Piumhi, centro-oeste de Minas Gerais, uma planta diferente vem chamando a atenção. Com produtividade semelhante às cultivares tradicionais, as plantas possuem folhas grandes e produzem grãos que chegam a ter o dobro do tamanho dos cafés tradicionais. 25/05/11 - TV Universitária de Lavras - 4:46



domingo, 26 de junho de 2011

Sorgo: cereal para alimentação humana

O sorgo é um cereal rico em compostos bioativos de interesse na saúde humana. Em diferentes países da Ásia e da África, há séculos ele é consumido pela população, e não apenas destinado à produção de ração. Receitas caseiras à base de sorgo, como a barra de cereais com pipoca de sorgo e os cookies de sorgo com amendoim, são algumas opções que diversificam e enriquecem a dieta, o que pode representar uma mudança de hábito no consumo do sorgo. 13/06/11 - Dia de Campo na TV - 13:11


quarta-feira, 22 de junho de 2011

O que é Agroecologia

O conceito de agroecologia quer sistematizar todos os esforços em produzir uma proposta de agricultura abrangente, que seja socialmente justa, economicamente viável e ecologicamente sustentável; um modelo que seja o embrião de um novo jeito de relacionamento com a natureza, onde se protege a vida toda e toda a vida. Nesta visão se estabelece uma ética ecológica que implica no abandono de uma moral utilitarista e individualista e que postula a aceitação do princípio do destino universal dos bens da criação e a promoção da justiça e da solidariedade como valores indispensáveis.
Na agroecologia a agricultura é vista como um sistema vivo e complexo, inserida na natureza rica em diversidade, vários tipos de plantas, animais, microorganismos, minerais e infinitas formas de relação entre estes e outros habitantes do planeta Terra. Não podemos esquecer que a agroecologia engloba modernas ramificações e especializações, como: agricultura biodinâmica, agricultura ecológica, agricultura natural, agricultura orgânica, os sistemas agro-florestais, permacultura, etc.
Bom, mas apenas saber os vários conceitos do termo agroecologia, a partir de vários estudiosos, não significa que você está pronto para adotar as práticas agroecológicas. Fazer agroecologia é apenas uma fase posterior ao processo Sentir Agroecologia e Viver Agroecologia no coração, compreender a vida a partir de um organismo vivo, seja ele planta, animal ou próprio ser humano. Apreender as relações conjuntas e apreender que o planeta terra não é o lugar do qual vivemos, e sim, no qual vivemos.

CICLO CONSTRUTIVO DA AGROECOLOGIA


Pollyanna Quemel

sábado, 18 de junho de 2011

Produzindo Arroz Orgânico

Veja como a Epagri tem intensificado as pesquisas sobre o sistema orgânico de produção do cereal em Santa Catarina. 27/05/11 - TV Epagri - 9:14


quarta-feira, 15 de junho de 2011

Água para o ano inteiro


Nas grandes capitais, quando a chuva cai, vem logo uma preocupação com os transtornos causados pelos alagamentos. Mas no Semiárido e no Cerrado, que vivenciam, ano após ano, longos períodos de seca, é bem provável que a imagem de uma enxurrada faça surgir uma angústia de outra natureza, bem ilustrada por uma frase do tipo Meu Deus, quanta água boa sendo desperdiçada.


Para evitar a perda, é preciso bem mais do que a antiga estratégia de juntar baldes e bacias ao ribombar do primeiro trovão. E quem encontrou a saída foi o engenheiro agrônomo Luciano Cordoval, daEmbrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, Minas Gerais, ao desenvolver duas tecnologias sociais que, juntas, garantem o aproveitamento da água das chuvas.

O primeiro passo, segundo Luciano, é construir uma barraginha, espécie de açude em miniatura, constituído por uma cova de 1,5 a 2 metros de profundidade, em formato de meia lua, com 15 metros de diâmetro. Além de captar a água das enxurradas, ela conserva os recursos hídricos, pois umedece o solo e reduz a erosão, revitalizando córregos e nascentes.

As barraginhas possibilitam a elevação do lençol freático e, com isso, é possível lançar mão de outra tecnologia social: os lagos impermeabilizados com lona plástica, que podem ser usados, por exemplo, como criatório de peixes e irrigação de hortas comunitárias. No período chuvoso, o lago é abastecimento com água das chuvas, por meio de canaletas coletoras situadas no telhado. Já durante a seca, a água que enche o lago vem das cisternas.

"O mais importante das barraginhas, no entanto, é a oportunidade de vencer a seca, já que elas mantêm úmido o lençol freático, favorecendo a revitalização de nascentes", observa o engenheiro agrônomo.

A história da família Sú, de Araçaí, Minas Gerais, é um exemplo de como as duas tecnologias sociais podem ajudar a melhorar a vida das pessoas. Luciano conta que os moradores da comunidade Fazendinhas Pai José, em Minas, viviam às voltas com os entraves da escassez de água, suficiente apenas para garantir as necessidades mais imediatas e a sobrevivência de uma meia dúzia de galinhas. E olha que, para isso, os moradores precisaram cavar mais de 50 cisternas que, de tão profundas, mal dava para a vista alcançar o fim. Apesar de uma profundidade de até 42 metros, a água atingia apenas 2 metros, sumindo rapidamente, tão logo vinha a estiagem.

Mas o cenário mudou após a construção de 186 barraginhas, que se encheram durante o ciclo chuvoso, permitindo a infiltração do solo e, consequentemente, a alimentação do lençol freático. Com isso, a coluna d´água nas cisternas passou de 2 metros para 12 metros.

"Essa situação de escassez para abundância deixou as famílias enlouquecidas. Elas passaram a criar peixes nos minilagos de lona, além de regar as hortas de verduras, como a da família Sú", detalha Luciano, acrescentando que os lagos são usados, predominantemente, para criação de peixes, irrigação de hortas comunitárias e bebedouro para gado e pequenas criações.

Em outra comunidade, relata Luciano, os benefícios foram tantos que chegaram até São Paulo, onde vive a filha de Zezinho Brandão, que cria peixes nos lagos de lona. "Ele ficou emocionado ao lembrar que estava conseguindo produzir tanto peixe que até enviou o alimento para a filha, que mora longe", diz o engenheiro agrônomo.

Não é à toa, portanto, a receptividade em torno da integração das duas tecnologias, que, desde 2006, vêm sendo replicadas em comunidades rurais de baixa renda do Semiárido, no Sertão do São Francisco e em zonas urbanas com financiamento do programa Petrobras - Desenvolvimento e Cidadania. Na primeira etapa, entre setembro de 2007 e março de 2010, o apoio financeiro da empresa assegurou barraginhas e lagos de múltiplo uso para 819 famílias de agricultores e pequenos proprietários rurais de 30 comunidades, distribuídos em 16 municípios.

Agora, com a aprovação de um novo patrocínio do programa Petrobras - Desenvolvimento e Cidadania, iniciado em janeiro de 2011 e com previsão de dois anos de duração, outras mil famílias, de 60 comunidades, serão beneficiadas.

"O projeto tem atuação em Minas Gerais, (80%), Piauí (em Oeiras, tendo como parceira a Diocese de Oeiras) e Ceará. Neste último caso, atuamos em dois municípios do Cariri, Jati e Jardim, tendo como parceira a Fundação Mussambê", diz Luciano.

Coordenador do projeto, que em Minas é executado pela Faped, Luciano explica que as comunidades beneficiadas, em geral, trabalham com lavouras, criação de gado e de pequenos animais, artesanato e produção de rapadura.

"As comunidades são mobilizadas com palestras, treinamentos para construção de barraginhas e lagos, dias de campo demonstrativos", revela o engenheiro agrônomo, contando que os pequenos produtores rurais participam da gestão local das TSs. "Depois de treinadas e cortado o cordão umbilical, eles, os nossos parceiros, ou seja, ONGs, fundações, dioceses, sindicatos dos trabalhadores rurais, entre outros, passam a caminhar sozinhos, captando seus próprios recursos para construção das TSs. Ao nosso projeto cabe captar para as comunidades que não conseguem dar esses passos sozinhos", explica.

Se a chuva agora tem proveito garantido, que venham as trovoadas.

PARA SABER MAIS
Clique aqui e baixe o a publicação Barraginhas para captação de enxurradas (4,59 Mb - Arquivo PDF).


Assista aqui o vídeo do Dia de Campo na TV sobre o projeto Barraginhas.

Acesse aqui a página no Orkut - BARRAGINHAS: parceiras da vida.


Karine Rodrigues, Jornalista

terça-feira, 14 de junho de 2011

FAO explica em livro como produzir alimentos de forma sustentável


 Shutterstock
Aumentar a produção de alimentos para uma população crescente de forma sustentável para o meio ambiente é o objetivo de um novo projeto da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), reunido no livroSave and Grow (Economizar para crescer, em livre tradução), apresentado nesta segunda-feira (13/06). 

Em comunicado, a FAO explica que a nova iniciativa pretende seguir no mesmo caminho da obra publicada na década de 1960 chamada Green Revolution que, segundo a nota, "salvou 1 bilhão de pessoas da fome e produziu alimentos mais do que suficientes para uma população mundial que quase duplicou, passando de 3 bilhões para 6 bilhões entre 1960 e 2000". As medidas propostas no livro são dirigidas aos pequenos agricultores que vivem em países em desenvolvimento. "Ajudar às famílias camponesas de baixa renda no mundo em desenvolvimento a reduzir os custos de produção e criar sistemas agroecológicos saudáveis, permitirá maximizar os rendimentos e dedicar suas economias a saúde e educação", afirma a FAO, que insiste que "para poder crescer, a agricultura tem de aprender a economizar". 
Conservação
Entre outras medidas, a FAO aposta nas técnicas da agricultura de conservação, que "minimizam o arado e a lavoura, preservando deste modo a estrutura e a boa saúde do solo". Conforme a agência das Nações Unidas, o risco de precisão permite "aumentar a produção para cada gota de água, além de colocar de forma precisa os adubos, que pode duplicar a quantidade de nutrientes absorvidos pelas plantas". 

A FAO lembra que outro elemento que ajudaria a melhorar o aspecto sustentável da produção agrícola seria o manejo integrado de pragas, com técnicas que evitem o desenvolvimento das mesmas que minimizam a necessidade de pesticidas. Estes métodos permitem que os cultivos se adaptem à mudança climática e possam não somente produzir mais alimentos, mas também reduzir a necessidade de água dos cultivos em 30% e os custos da energia em até 60%, detalha a FAO. Em alguns casos, acrescenta, é possível aumentar os rendimentos em até seis vezes, como demonstram os testes com milho realizados recentemente na África Meridional. A FAO conclui que para enfrentar o desafio do crescimento da população de forma sustentável é preciso fazer "uma mudança a partir de um modelo homogêneo para sistemas agrícolas que façam uso intensivo do conhecimento e se adaptam aos locais específicos". 

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Frutas secas têm mesmo valor nutricional das frutas frescas

Frutas secas têm mesmo valor nutricional das frutas frescas
O erro mais comum é comparar frutas secas e frescas por peso: ocorre que as frutas frescas têm um elevado teor de água, o que faz parecer que as frutas secas tenham açúcar demais só porque perderam a água.[Imagem: Gveret Tered/Wikimedia]

Sirva fresca ou seca
Um grupo de cientistas está recomendando que as autoridades de saúde passem a considerar as frutas secas nutricionalmente equivalentes às frutas frescas.
O trabalho analisou frutas secas tradicionais como, como damascos, maçãs, tâmaras, figos, uvas passas e ameixas.
"As frutas secas são ótimas fontes de fibras alimentares totais e solúveis," disse o Dr. Daniel Gallaher, da Universidade de Minnesota (EUA). "Assim como as frutas frescas, que têm valores baixos de índice glicêmico e podem desempenhar um papel importante na prevenção de diferentes aspectos das doenças metabólicas."
Polifenóis
Além de fornecer fibras, as frutas secas estão entre as principais fontes de potássio nas dietas de todo o mundo, segundo a Dra. Arianna Carughi, da Universidade Harokopio (Japão).
Os frutos secos também contêm uma grande variedade dos cada vez mais importantes compostos bioativos fenólicos, assim como vitaminas e minerais específicos, únicos para cada fruta.
"Há poucas dúvidas de que os polifenóis oriundos das plantas protegem contra doenças do coração. Seus efeitos na saúde são complexos e eles parecem funcionar de muitas maneiras diferentes, e não simplesmente como antioxidantes", disse disse o Dr. Gary Williamson, da Universidade de Leeds (Reino Unido).

domingo, 12 de junho de 2011

Taióba, maxixe, serralha, ora-pro-nóbis e araruta - Embrapa incentiva o consumo de hortaliças tradicionais

Taióba, maxixe, serralha, ora-pro-nóbis e araruta. Essas hortaliças são pouco conhecidas mas já fizeram parte da dieta dos brasileiros, no passado. Por conter substâncias importantes para a saúde e pela facilidade de cultivo, a Embrapa Hortaliçase parceiros promovem a manutenção, a multiplicação e o consumo de mais de 20 espécies.





Links referenciados

Embrapa Hortaliças
www.cnph.embrapa.br

Dia de Campo na TV
hotsites.sct.embrapa.br/diacampo


Fonte: http://www.agrosoft.org.br/

quinta-feira, 9 de junho de 2011

As 10 maiores frutas do mundo

Jaca

A jaca é uma espécie de árvore da família da amoreira. Ela produz frutos grandes e cresce bem em áreas tropicais. jaca é a maior árvore a ter frutos no mundo chegando a 80 quilos de peso e até 36 centímetros de comprimento e 20 polegadas de diâmetro.

Coco de Mer (maldivica Lodoicea)

O Coco de Mer só pode ser encontrado nas ilhas de Praslin e Curieuse nas Seychelles. O Coco de Mer é agora uma espécie rara e protegida.

É uma das universalmente conhecidas maiores plantas e possui três registros botânicos.  O maior fruto da registrado pesava 42 kg; as sementes maduras com peso de até 17,6 kg é a mais pesada do mundo e as flores femininas são os maiores de qualquer palma. A fruta, que exige 6-7 anos para amadurecer e mais dois anos para germinar, é às vezes também referida como o coco do mar, coco de casal, coco Fesse ou Seychelles Nut.

Coco (Cocos nucifera)

Coconut cresce ao longo dos trópicos de planície e tem um dos maiores frutos no mundo. Sua casca dura contém carne branca e clara, os quais são saborosos e nutritivos. Filipinas é o maior produtor de de coco do mundo.

Melancia (Citrullus lanatus)

Melancia, que é nativa da África tem uma dos maiores frutos no mundo. O fruto da melancia, vagamente considerado um tipo de melão, tem uma casca exterior lisa (verde e amarelo) e uma suculenta carne, doce, normalmente rosa, vermelha ou amarela, mas às vezes laranja.

Pomelo (Citrus maxima)

O pomelo ou toranja chinesa, Pummelo, Pommelo, Lusho Frutas, Jabong, Shaddock é uma fruta cítrica, geralmente indo do verde-claro ao amarelo quando maduro (mas também cor de rosa ou vermelho); maior que uma laranja, com polpa doce e casca grossa e esponjosa. É o maior dos citrinos, que cresce tanto quanto 30 cm de diâmetro e pesando até 10 kg, a casca é de grande espessura.

Durian (kutejensis Durio)

O Durian é uma fruta de grande quantidade de árvores do gênero Durio pertencente à família Malvaceae. Amplamente conhecido e reverenciado no sudeste da Ásia como o "rei das frutas", a fruta é distintiva pelo seu grande tamanho, odor único, e  formidável casca coberta de espinhos. O fruto pode crescer até 30 centímetros (12 pol) de comprimento e 15 centímetros (6), em diâmetro, e tipicamente pesa 1-4 kg (2-7 lb). Sua forma varia de oblongo a rodada, o cor de sua casca vai de verde a marrom, e sua polpa do amarelo-pálido ao vermelho, dependendo da espécie.

Atlântico Giant (Cucurbita maxima)

Atlântico gigante é uma variedade única que produz frutas mais maciças do que as produzidas por qualquer outra planta no mundo. A fruta pode ultrapassar 6 metros de circunferência. O mais pesado gigante Atlântico pesava 766 kg (1689 lb). Em condições normais, o Gigante do Atlântico produzem frutos de mais de 250 kg (551 lb).

Cabaça

Uma videira que leva um dos maiores frutos é uma cabaça ou  cabaça Africana. Cabaça é uma planta trepadeira cultivada por seus frutos, que podem ser colhidos jovens e usados como vegetal ou colhidas maduras, secas e usado como uma garrafa, utensílio, ou cachimbo. Por esta razão, uma das subespécies cabaça é conhecida como a cabaça.
A fruta fresca tem uma pele dum suave verde e uma carne branca. Algumas variedades podem crescer até 3 pés de comprimento. A cabaça foi uma das primeiras plantas cultivadas no mundo, cultivada para a alimentação, mas não como um recipiente.

O abacaxi (Ananas comosus)

O abacaxi é um fruto de grande porte que cresce bem nas regiões tropicais do mundo. Filipinas é um dos maiores produtores de abacaxi no mundo e o maior abacaxi foi colhido em uma das maiores plantações de abacaxis do país, em Mindanao.

O Mamão (Carica papaya)

O mamão é uma das maiores frutas e cresce bem em áreas tropicais do mundo. É uma dos mais deliciosos e vitaminados frutos do trópico.

Todas estas frutas (exceto Coco de Mer) são comestíveis e fornecem muitos nutrientes e vitaminas. Espero que tenha tido um maravilhoso tempo lendo isto. Obrigado!


Traduzido e adaptado de: http://www.bukisa.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...